Faculdade São Lucas

PRE_TITLE_DEFAULT - TITLE_DEFAULT

NOTÍCIA

FALE CONOSCO: (69) 3211-8001

Médico neurologista apresenta caso compatível à doença Poliomielite para acadêmicos de Medicina do UNISL

Publicada em 28/10/2016 por Juliana Mascarenhas

O médico Dr. Pauzanes de Carvalho, neurologista e professor da disciplina Clínica Médica do Centro Universitário São Lucas, apresentou no dia 21 de outubro um caso raro de paralisia infantil compatível à doença viral Poliomielite para os acadêmicos do 7º e 8º período de Medicina.

 

Uma criança de três anosde idade moradora do Distrito de Jacy Paraná, município de Porto Velho, Rondônia, desenvolveu paralisia nas pernas após apresentar os sintomas compatíveis à Poliomielite.

 

Segundo relato do médico a criança foi vacinada a mais de um ano contra o vírus da pólio, dentro dos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde, sendo esta uma das necessidades de investigar como ela pode ter contraído a doença. O caso é considerado suspeito porque mesmo que os sintomas da paralisia sejam compatíveis ao da Poliomielite, não foram identificados póliovírus nos exames laboratoriais, pois ao ser examinada ela não estava mais na fase aguda da doença. “Ela ficou internada no hospital Cosme Damião por 10 dias sem que nenhum médico conseguisse confirmar um diagnóstico do que teria causado a paralisia nas pernas da criança, quando fiquei sabendo do caso pedi para que a encaminhassem até o Ambulatório do UNISL no Hospital Santa Marcelina para que eu pudesse avalia-la. Após examinar a criança não tive dúvidas de que se tratava de um caso raríssimo de Poliomielite por ter vivido a experiência nos anos 80 quando vi muitas crianças com este diagnóstico.”

 

Durante consulta, o neurologista Dr.Pauzanes constatou que a criança tinha perdido a força e os reflexos nos membros inferiores. De acordo com o médico, situações assim são raríssimas nos dias atuais, porém não impossíveis.

 

 “O objetivo de expor este caso incomum em sala de aula para os acadêmicos de Medicina é alertar os jovens estudantes que o vírus da Poliomielite é raríssimo no Brasil uma vez que o poliovírus é classificado como erradicado desde 1989 e por isso a vigilância para o vírus da doença diminui com o passar dos anos.”, o médico concluiu fazendo um alerta “É preciso ter atenção para estes diagnósticos suspeitos, já que o diagnostico compatível à doença mesmo sendo raro infelizmente pode acontecer.”.

 

Acadêmica do 7º período de medicina do UNISL, Emanuela Vanzella falou sobre a experiência de vivenciar um caso tão raro. “Como futuros médicos tivemos uma grande oportunidade ao receber um possível caso de Poliomielite em sala de aula bem como podermos discuti-lo com profissionais capacitados e experientes do assunto. Ficamos muito surpresos com essa paciente, visto que a campanha vacinal contra Poliomielite é bem difundida no Brasil e ainda a doença encontra-se em um plano global de erradicação.”, afirmou.

 

A acadêmica do 8º período de medicina do UNISL, Lais Viega Dorigheto também participou da aula e destacou a iniciativa do professor Dr. Pauzanes em levar a paciente e explicar o caso para todos os alunos. “A aula foi muito mais interessante para nosso conhecimento acadêmico, onde empregamos conceitos já estudados, ampliando nossos conhecimentos e possíveis conclusões em relação ao caso.”, destacou a acadêmica.

 

O que é Poliomielite?

 

Poliomielite é uma doença viral que pode afetar os nervos e levar à paralisia parcial ou total. Apesar de também ser chamada de paralisia infantil, a doença pode afetar tanto crianças quanto adultos. A poliomielite foi praticamente erradicada em países industrializados com a vacinação de crianças, inclusive no Brasil, onde a vacina contra a doença foi incorporada à caderneta de vacinas obrigatórias.

 

Sintomas de Poliomielite

 

Embora a poliomielite possa causar paralisia e até mesmo a morte, a maioria das pessoas infectadas com o poliovírus não fica doente e não manifesta sintomas, de modo que a doença passa muitas vezes despercebida.

 

Poliomielite não-paralítica

 

A maior parte das pessoas que foram infectadas pelo poliovírus apresenta o tipo não-paralítico da doença. Muitas vezes a pessoa não manifesta nenhum sintoma, e quando os sinais da doença aparecem, eles geralmente são muito similares aos sintomas da gripe e de outras doenças virais leves ou moderadas. Os sinais e sintomas, que costumam durar de um a dez dias, incluem: Febre, garganta inflamada, dor de cabeça, vômitos, fadiga, dor nas costas ou rigidez muscular, dor de garganta, dor ou rigidez nos braços e nas pernas, fraqueza muscular ou sensibilidade.

 

Poliomielite paralítica

 

Em casos raros, a infecção pelo poliovírus leva à poliomielite paralítica, a forma mais grave da doença. Poliomielite abortiva, como também é chamada, recebe diferentes nomes dependendo da parte do corpo afetada: a medula espinhal (poliomielite espinhal), o tronco cerebral (poliomielite bulbar) ou ambos (poliomielite bulbospinal).

 

Sinais da poliomielite paralítica, como febre e dor de cabeça iniciais, muitas vezes imitam os da poliomielite não-paralítica. Dentro de uma semana, no entanto, os sintomas específicos de poliomielite paralítica aparecem, incluindo: Perda dos reflexos, dores musculares graves ou fraqueza, membros soltos e flácidos, muitas vezes pior em um lado do corpo.

 

Telefone para denunciar casos compatíveis em Rondônia: CIEYS -3216-5398

Copyright © 2017 | Faculdade São Lucas