Centro Universitário São Lucas

PRE_TITLE_DEFAULT - TITLE_DEFAULT

NOTÍCIA

FALE CONOSCO: (69) 3211-8001

Entrevista com a Biomédica Flávia Serrano

Publicada em 21/11/2016 por Departamento de Comunicação e Marketing (NUC)

Dia 20 de novembro é dedicado aos Biomédicos.  O Centro Universitário São Lucas parabeniza a todos os Biomédicos, em especial os estudantes e profissionais da Instituição que estão sempre focados no estudo e pesquisa de melhorias e contribuições que possam ser dadas pela área da Saúde em cada campo.

Para comemorar esta data tão importante entrevistamos a Coordenadora do Curso de Biomedicina do Centro Universitário São Lucas, Flávia Serrano que destacou as características de um bom biomédico e sua trajetória de sucesso.

 

Confira a entrevista na íntegra:

 

UNISL: Poderia contar um pouco da sua formação e trajetória na área de Biomedicina?

Biomédica: Sou biomédica desde 2002, me formei no Centro Universitário Barão de Mauá (2002) na cidade de Ribeirão Preto – SP. Quando saí para estudar fora de Rondônia, nem imaginava que teria Biomedicina aqui. No último ano da minha graduação, consegui autorização para realizar uma das especializações do Biomédico, que é Análise Ambiental, fiz estágio em uma indústria Farmacêutica chamada Biossintética. Quando vim embora para Porto Velho, eu sabia que queria continuar estudando, mas também sentia necessidade de ingressar no mercado de trabalho, em 2003 fui convidada para dar aula no Centro Universitário São Lucas, pois o curso de Biomedicina estava instalado e precisava de alguém para ministrar a disciplina Analises Ambiental. Em 2005, tive a oportunidade junto com outros colegas da instituição de realizar um mestrado pela UNITAU – Universidade de Taubaté. Foi uma experiência gratificante, e consegui realizar mais um objetivo da minha carreira. Em 2006 fui convocada para trabalhar como servidora pública do Estado de Rondônia havia prestado o concurso em 2003, nem esperava mais ser chamada. Comecei outra fase, atuando como Biomédica no Estado e docente no UNISL. Como Biomédica na SESAU eu atuei em 2006 no Banco de sangue, que seguiu até 2008, onde fui alocada para a AGEVISA – Agência de Vigilância em Saúde. Na AGEVISA atuei como coordenadora Estadual da Malária, da Leishmaniose, da Esquistossomose e da Toxoplasmose, muitos presentes na carreira e muita experiência garantida, essa experiência foi essencial para minhas disciplinas carros chefes no UNISL, a parasitologia e a parasitologia clínica. No ano de2012 tomei a decisão de então ingressar no CEPEM – Centro de Pesquisa em Medicina Tropical, no qual foi convidada a assumir o Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos, como coordenadora, onde estou até hoje, além de atuar como Biomédica no laboratório de microbiologia. Em 2014, praticamente seis anos depois que terminei o mestrado ingressei no doutorado, uma fase mais madura, em que eu absolutamente sabia qual projeto queria para estudar e desenvolver, essa oportunidade foi na Universidade Federal de Rondônia – UNIR, no programa de Biologia Experimental. Digo que é uma correria gratificante, porque eu absolutamente faço o que eu amo. E como presente dessa carreira maravilhosa, recebi o convite para atuar na coordenação do curso de Biomedicina, depois de 13 anos na docência, ganho esse presente maravilhoso e que tenho crescido e ousado mais a cada dia na formação de profissionais éticos e competentes.

 

 

UNISL: Por que a senhora resolveu estudar biomedicina?

Biomédica: Resolvi estudar Biomedicina, porque o nome tinha medicina, e eu sempre amei a área da saúde, imaginava que seria na modalidade médica, e eu não estava errada. O curso é apaixonante.

 

UNISL: O curso era exatamente o que a senhora pensava?

Biomédica: Era, exatamente, imaginava que iria trabalhar toda biologia humana, na modalidade médica e foi isso, exatamente como pensei.

 

UNISL: Em seus anos de carreira qual foi o momento mais marcante?

Biomédica: Tive vários momentos marcantes, mas participar da investigação de um surto de uma doença no Estado, me fez aprender demais.

 

UNISL: Qual a sua avaliação do mercado de trabalho? Está muito competitivo? Tem emprego para todo mundo?

Biomédica: A Biomedicina é um curso com muitas especializações distintas, quando se faz o curso de forma direcionada a uma determinada especialização fica fácil se sobressair, mas quando se sai da faculdade sem saber, aí fica complicado. Acredito muito no potencial da profissão. São muitas áreas de atuação. Quanto ao mercado competitivo, independente da formação sempre haverá competição, você precisa ser bom no que faz, e só é bom no que faz que realmente tem amor ao que faz, envolver-se com a profissão faz toda a diferença. A remuneração, eu tenho uma frase para ela: - “O dinheiro vem automaticamente pela forma como você trabalha”, não disse quantidade, mas sim qualidade de trabalho.

 

UNISL: Em sua opinião, quais características um profissional tem que ter para se dar bem no mercado? E quais dicas a senhora daria para quem quer ser Biomédico?

Biomédica: 1º Gostar da área de saúde; 2º  Envolver-se enquanto estudante dentro do curso; 3º Tem que ter ATITUDE, não ter medo de inovar, de liberar laudos;  4º Para ser bom como Biomédico, tem que estudar sempre.

A biomedicina é uma área relativamente nova perto de todas existentes, tem 50 anos de existência, é preciso conhecer sobre a biomedicina, procurar se identificar com uma área para poder investir nela. Não há retorno sem investimento, digo de dinheiro e tempo. E o mais importante, se entregue a profissão, você pode ser quem quiser como biomédico na área da saúde. Basta ACREDITAR!

Copyright © 2017 | Faculdade São Lucas