Centro Universitário São Lucas

PRE_TITLE_DEFAULT - TITLE_DEFAULT

NOTÍCIA

FALE CONOSCO: (69) 3211-8001

Conscientização sobre ruídos é tema de atividade de campo no espaço alternativo na capital

Publicada em 30/04/2018 por Assessoria de imprensa

Estudos apontam que o uso inadequado de equipamentos aliado ao som alto são algumas das principais causas de danos a saúde humana. Diante disso, o Centro Universitário São Lucas, por meio da coordenação de Fonoaudiologia, criou a campanha “Legal do som, para a diversão não virar perturbação”.

 

O objetivo é alertar a população para os danos causados pelo som alto seja ele de uso externo ou interno. As atividades envolvem orientações nas escolas, distribuição de panfletos a respeito do uso inadequado de equipamentos, além de teste com a medição da intensidade do fone de ouvido durante práticas esportivas.

 

De acordo com a professora Liliane Rodrigues, 25 de abril é considerado o “Dia Internacional da Conscientização sobre o Ruído” e o UniSL programou  atividades contínuas que serão executadas no decorrer do ano pelos acadêmicos ligados a área da saúde para alertar a população que o uso do som alto pode causar  perdas auditivas irreversíveis ao ser humano. A iniciativa tem a parceria da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e hospital Santa Marcelina.

 

“Estamos fazendo um trabalho de campo com receptividade positiva por parte da população que foi orientada sobre os cuidados com a audição, além da legalidade do som alto que vem sendo muito discutida no país. Devemos aprender que a intensidade de volume não prejudica somente a audição das pessoas, mas também o sono, causam estresse, alteração cardiovascular como hipertensão, arterial, circulatório, dor no ouvido, desconforto, entre outros, por isso se chama poluição sonora por causar danos a saúde”, explica a professora Liliane.

 

A equipe busca trabalhar principalmente nas escolas para que as crianças entendam que o ruído excessivo não é legal e possam transmitir aos pais e a toda família. O aprendizado serve tanto para quem recebe quanto para quem transmite. Como a Edna do 6º período de fonoaudiologia que durante as atividades percebeu a necessidade de trabalhos de orientações sobre a saúde auditiva. “As pessoas não dão muita importância para a prevenção com a audição e são sentidos tão importantes quanto os demais”, ressalta a acadêmica.

 

Desde o inicio do mês de abril, a coordenação mobiliza os acadêmicos que participaram da palestra com o professor Francisco Aurélio, fiscal do meio ambiente de Fortaleza-CE e que esteve em Porto Velho para a capacitação sobre como fazer a medição e o mapeamento do ruído no município de Porto Velho.

 

“É algo complexo que exige um trabalho de campo e Fortaleza é o único estado que tem esse mapeamento e agora queremos ser pioneiros nesse trabalho em Porto Velho também. Os trabalhos estão muito no inicio, mas já estamos nos organizando com equipamentos para iniciar o projeto ainda este ano”, afirmou a professora.

Copyright © 2018 | Faculdade São Lucas